Luto X Tristeza: uma breve explicação

Vamos começar falando o que exatamente é um Luto.

Luto nada mais é do que um estado emocional que nos encaixamos quando estamos com nível alto de tristeza, seja por uma perda de alguém querido, de um trabalho dos sonhos, de uma companhia boa e até mesmo de um bem material de muito valor. Nessa fase, a pessoa pode apresentar sintomas psíquicos como humor deprimido, choro incontrolável, evitamento social e outros sintomas sintomáticos semelhantes aos da depressão.

É super normal sentir-se para baixo quando está em uma situação como essas citadas acima como exemplo, mas caracteriza-se como Luto aquele sentimento que para muitos “aperta o coração” e que te desestabiliza diante da vida.

Mas para ficar mais claro, quais são os sinais desse estado mental? Existe como diferenciar Tristeza do Luto?

A resposta é sim. Tristeza é um sentimento normal do seu humano, que dura apenas dias, não altera o sono, o apetite e nem provoca sintomas, não prejudica o desempenho no trabalho e nem as relações interpessoais.

Para ambos existe acompanhamento psicológico. Para o sentimento de Tristeza, uma boa orientação e escuta de um profissional qualificado aliviaria o sintoma. Já para o sentimento de Luto, é necessário o mesmo, porém acrescentando não só uma orientação breve, mas o início de um tratamento de médio ou longo prazo, dependendo muito do retorno do paciente.

No Luto existem 5 estágios, que são: Negação, Raiva, Negociação, Depressão e por fim, Aceitação. Sobre estes, falaremos em outro post.

Respeite seus sentimentos. Permita-se senti-los. Nunca ache que é pequeno algo que sinta. Busque orientação caso precise. Cuide-se. Ame-se.

 

Ansiedade na Pandemia de Covid-19

Apesar da Ansiedade ser uma manifestação natural do nosso corpo, as vezes ela pode ser provocada por situações do atual presente. Diante do novo Coronavírus (Covid-19), aprender a lidar com seus sintomas é muito importante, pois assim poderá evitar impacto na saúde mental.

É normal as pessoas terem medo de algo desconhecido, porém o medo, a insegurança do futuro diante a Covid-19 vem aumentando em todo o mundo, gerando assim, pessoas mais ansiosas e sem esperança no amanhã, abrindo margens para transtornos mais preocupantes do que a própria Ansiedade, como a Depressão, mas sobre isso, falarei num próximo momento.

Confira abaixo, orientações de como poder identificar e controlar sua ansiedade durante esse período de quarentena.

Lembrando que são apenas alguns pontos para identificação e controle. Esse informativo não é e nem pode ser utilizado para diagnóstico e tratamento. Para isso, procure um profissional de Psicologia para lhe acompanhar da melhor maneira e com eficaz.

Sinais de identificação de Ansiedade durante a pandemia:

1- Nervosismo,

2- Dificuldade de concentração,

3- Medo constante,

4- Irritabilidade e Agitação,

5- Insônia,

6- Cansaço além do costume.

Como controlar a Ansiedade diante da pandemia:

1- Separe o que você pode controlar (lavar as mãos, sair de casa apenas se for necessário, meios de prevenção) do que não pode (ter controle do que está acontecendo),

2- Busque informações confiáveis uma vez por dia,

3- Alimenta-se bem e beba bastante água,

4- Pratique pelo menos 2 ou 3x algum exercício físico mesmo que em casa,

5- Faça atividades relaxantes como ler um livro, pinturas, ouvir música, assistir filmes ou o que lhe agradar,

6- Se tiver medo, pense em outros momentos difíceis que já superou antes,

7- Se precisar, busque ajuda profissional. Não tenha vergonha!

O que aumenta a Ansiedade durante a Pandemia:

1- Pensar e falar constantemente na doença,

2- Informações em excesso,

3- Pensamentos relacionados à morte sobre a doença,

4- Acreditar em tudo que lê na internet sobre o assunto.

Terapia Online – Como é?

O que é um atendimento online?

O atendimento online garante a facilidade, agilidade e qualidade no atendimento ao paciente. Sempre de forma sigilosa, como no presencial e em tempo real, permitindo um acompanhamento mais detalhado do caso e desenvolvimento do mesmo em avaliação.

Como ter um bom aproveitamento do atendimento online?

O importante é que seja verificado a conexão de internet antes de iniciar a sessão, para que não haja cortes durante a vídeo chamada. Além disso, uns dos pontos indispensáveis, é manter o compromisso diante do terapeuta de não esconder os fatos, ser dedicado, valorizar seu investimento e sua vida acima de tudo, para assim poder ter ganhos mais rápido e com qualidade.

Qualquer pessoa pode fazer um atendimento online?

Sim. Desde que tenha facilidade ou acesso, com ajuda de alguém, a um computador ou smartfone, além claro, possuir conexão de internet. Algumas crianças e idosos não aderem muito à sessão online, pois tem a necessidade de um acompanhamento presencial, mas nada os impede de que ser houver a vontade, tentar.

Qual acompanhamento é mais eficaz? Presencial ou online?

Não existe nenhum dado comprovado um método melhor do que o outro. Qualquer um dos dois é feito um serviço com a mesma qualidade. Alguns transtornos mentais necessitam da presença física, para aplicação de técnicas presenciais, mas nada impede de iniciar pelo formato online. O principal responsável para ter sucesso na terapia é o próprio paciente, seja online ou não.

Tem diferença de tempo de sessão online X sessão presencial?

Não. Não tem como determinar tempo de acompanhamento. Como dito acima, tudo dependerá do desenvolvimento do paciente.

É permitido o atendimento terapêutico online por lei?

É sim. O importante antes de iniciar a escolha do psicólogo para o seu acompanhamento, é verificar se ele está inscrito no Conselho Regional de Psicologia e no Cadastro Nacional de Psicologia, para certificar-se que ele está apto e liberado para tal atendimento. Caso tenha dúvidas sobre o registro de algum profissional, ligue para o número do Conselho da sua cidade.

Para mais informações, envie um contato.

TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade

O TDAH é um transtorno neurobiológico que atinge varias partes do cérebro, geralmente causa falta de atenção, desinteresse, inquietude, impulsividade.

Estudos científicos apontam que a área mais atingida por esse transtorno é a região frontal e suas ligações com o resto do cérebro.

Existem pesquisas por todo o mundo, onde procuram saber a causa do desenvolvimento de TDHA, as pesquisam apontaram que a hereditariedade é uma das causas que podem fazer com que a criança desenvolva esse transtorno.

Outras causas como o que é ingerido durante a gravidez, sofrimento fetal (algumas pesquisas apontam que mulheres que tiveram algum problema na gravidez terá um aumento de chance do bebe desenvolver o TDAH), problemas familiares, e até mesmo a exposição ao chumbo poderá causar no bebe a probabilidade maior de desenvolver esse transtorno.

Sintomas
Os sintomas podem ser identificados na infância, o primeiro diagnostico, geralmente é feito nas escolas, onde os profissionais da educação identificam a falta de interesse expressiva da criança, falta de atenção nas atividades desenvolvidas nas escolas, inquietude e a impulsividade.

Ajuda para criancas com deficit

Após o primeiro diagnostico é aconselhável que a criança passe por um especialista para que esse possa passar o tratamento mais adequado para aquela criança.

TDAH Tem cura?
Por não ser considerada uma doença e sim um transtorno, o Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade não tem cura, apenas tratamento. Este tratamento é possível através de ajudas como:

Psicólogos;
Psicopedagogos;
Psiquiatras;
Pedagogos;
Entre outros.
Hoje com o avanço tecnológico e da medicina pode se observar diversas formas de tratamentos para que o transtorno não se desenvolva tanto, e assim a criança ou adulto possam levar uma vida normal tanto quanto o possível.

(Ricardo Spinoza – fundador do Saúde Mental)

A Ansiedade e a Terapia Cognitivo Comportamental

A ansiedade é uma emoção comum a todos nós e está presente em nosso dia-a-dia, mas nem sempre sabemos como lidar com ela e com sua repercussão em nossas vidas. Além da inquietação e do nervosismo, muitos sintomas podem estar associados a ela, como tensão, falta de ar, palpitação, tremor, irritação, tontura, ondas de calor, arrepios de frio, dificuldade em se concentrar, fadiga, entre outros.

Apesar de aparecer em diferentes contextos e às vezes de modo bastante específico, como nos transtornos ansiosos, ela pode estar ali, conosco, quando encaramos a falta de controle e a possibilidade de não aceitação pelo outro. As pressões cotidianas tendem a aumentar nossa ansiedade, as preocupações com o trabalho, a família, o relacionamento com as outras pessoas, preocupações financeiras e tantas outras acabam somando-se. O estresse, muitas vezes, é expresso através da ansiedade.

A psicoterapia é uma das ferramentas que temos para tratar da ansiedade quando ela começa a nos prejudicar, seja pela sua intensidade, seja pelo tempo delegado à ela, seja pelo sofrimento gerado.

A psicoterapia cognitiva comportamental vem mostrando resultados positivos no tratamento da ansiedade. Nela há atividades que são realizadas dentro ou entre as sessões e o aprendizado de certas habilidades e comportamentos, específicos para cada caso. Durante a psicoterapia a pessoa vai entender melhor como a ansiedade funciona e aprender modos de administrá-la. A psicoterapia vai enfocar tanto as causas como os sintomas da ansiedade, agindo sobre ambos.

Com a ajuda atenta do psicólogo, a pessoa vai aprendendo a diminuir sua ansiedade, descobrindo novos modos de enfrentar as dificuldades e modificando as crenças que estão por trás dela. O psicólogo vai procurar junto com a pessoa quais os pensamentos negativos que a levam a sentir ansiedade e buscar mudar esses pensamentos e os comportamentos que estão ligados a eles.

Muitas situações podem causar ansiedade e serem trabalhadas na psicoterapia, principalmente aquelas que põe em cheque nosso senso de segurança, confiança e previsibilidade, como por exemplo:

– dificuldade em se fazer uma escolha;

– dificuldade em solucionar problemas;

– preocupação sobre como comportar-se em determinadas situações ou frente às outras pessoas;

– falta de definição de objetivos profissionais ou pessoais;

– receio do que pode acontecer em uma situação desconhecida ou inesperada;

– falta de habilidade para administrar melhor seu tempo;

– medo de perder pessoas queridas ou coisas importantes para si;

– perda real ou danos no relacionamento amoroso ou outros tipos de relacionamento;

Os transtornos ansiosos (transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do estresse pós traumático, transtorno do pânico, transtorno obsessivo compulsivo, fobia social, fobias específicas) também giram em torno do mote segurança – medo de causar danos a si ou aos outros ou de que algo de ruim aconteça a si mesmo ou aos outros.

Geralmente, a ansiedade no trabalho costuma girar em torno do relacionamento com superiores, subordinados ou colegas, da pressão para obtenção de resultados, da competição, da falta de delimitação nas tarefas ou falta de especificação, entre outros.

Independente dos temas abordados, a psicoterapia cognitiva comportamental visa o controle da ansiedade e a melhora na qualidade de vida da pessoa.